Postagem em destaque

DECORAÇÃO FESTA ANGRY BIRD

O tema escolhida este ano foi Angry Birds. Fiz uma mesa simples esse ano. Fiz o bolo fake (bolo decorativo ou bolo cenográfico) e usei pers...

quinta-feira, 5 de janeiro de 2017

TUDIN - UM POUCO DE CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE

|
Nada mais atual que este trecho de um livro de Carlos Drummond de Andrade. Reflete bem o comportamento de muitas crianças hoje em dia! Vale a pena a leitura, no final deixe seu comentário.

Netinho - Carlos Drummond de Andrade

Netinho

Se tivesse mais dois anos, chamá-lo-ia mentiroso. No seu verdor, é apenas um ser a quem a imaginação comanda, e que, com isso, dispõe de todos os filtros da poesia.
O que aconteceu, para ele, não conta. O que não aconteceu, sim, pula a todo instante na conversa e logo se materializa, real dentro do real. Geralmente, se lhe perguntamos alguma coisa, a resposta é um ato criador.
— Quem buliu neste açucareiro e sujou a toalha?
— Foi Puck.
— Mas Puck é um cachorrinho de nada, não sobe à mesa.
— Subiu na cadeira.
— Você viu Puck subir?
— Vi, ué.
— E deixou?
— Eu disse assim: Puck, não sobe nessa cadeira não.
— E que foi que Puck lhe respondeu?
— Que tinha vontade de comer um torrãozinho de açúcar.
— Mas você é que comeu torrão de açúcar. Está-se vendo pela sua boca lambuzada.
— É, eu também comi um, mas foi Puck quem deu.
Horas depois:
— Você se lembra? Naquele dia em que Puck me deu um torrão de açúcar…
O tempo ainda não existe em forma fixa. As coisas marcadas para amanhã desenham-se no nevoeiro, ou mergulham no insondável. Prometem-lhe um velocípede.
— Onde está?
— Espere, vem amanhã.
— Por que amanhã nunca é hoje?
E ninguém, de Bergson ao avô, saberia responder-lhe ao certo.
Contudo, uma noção se delineia, da sequência das horas. Conta-nos um fato estranho:
— Quando o céu ficou azul-escuro, e um gato pulou no terraço, e depois o céu virou claro outra vez, eu fui espiar devagarzinho, e o gato tinha comido a máquina de escrever…
Ama as coisas pelo prazer abstrato da posse, menos pelas coisas em si, ou pelo seu uso voluptuoso. Há um lápis.
— Me dá esse lápis pra mim?
— Não posso.
— Me empresta?
— Não posso, preciso dele.
— Ah, me empresta…
— Está bem, empresto.
— Agora ele é meu?
— Seu, não. Emprestado.
— Eu queria tanto um lápis pra mim… Me dá, anda.
— Está bem, pode ficar com ele.
— É meu? Oba!
E joga-o fora, imediatamente.
Não lhe deem brinquedo caro, porque logo o desmonta para brincar com um pedaço qualquer. Dir-se-ia instinto de destruição, comum à espécie. Inclino-me a crer que seja instinto de simplificação e prazer de recriar, em novas bases, a realidade imposta.
Em suma, grande figura, admirável exemplar de todos os garotos da mesma idade em todo o mundo, e só Deus sabe como foi batida esta crônica (se assim podemos chamá-la), enquanto ele montava a cavalo no cronista: upa, upa, cavalinho alazão!

— Carlos Drummond de Andrade, no livro "Fala, amendoeira". São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

Fonte: http://www.recantodasletras.com.br/e-livros/4147817

9 comentários:

  1. Olá, tudo bem?
    Não tenho filhos, mas tenho sobrinhas e trabalho com crianças, e de fato há muita semelhança no comportamento delas, principalmente durante algumas fases específicas, como os "terríveis dois anos" por exemplo, e olha que trabalho com crianças especiais, e mesmo com alterações cognitivas elas tem as mesmas atitudes que as demais crianças... Parece algo instintivo rs. Mas, isso muda conforme a reação dos adultos, que muitas vezes são mais infantis que as crianças, infelizmente. Obrigada por trazer um texto de Drummond para levantar Taís questionamentos. Bjos

    www.blogpapelpapel.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que gostou, concordo com você tem adultos que se comportam muito pior que criança. Kkkk

      Excluir
  2. Oiee
    Nunca parei pra ler Carlos Drummond, mas gostei desse trechinho haha
    Não tenho filhos nem sobrinhos, mas tenho irmãos mais novos, então rsrs

    Abraços

    ResponderExcluir
  3. Oi, boa noite.
    Gostei muito. A fase do egocentrismo é terrível, né? Mas é legal pois faz parte do crescimento e amadurecimento do Ser.
    Abraços, Uiara Melo

    ResponderExcluir
  4. Olá, Boa Tarde!
    Não tenho filhos, mas tenho uma irmã de 7 anos. Achei esse texto bem interessante, me fez ter vontade de ler mais alguns to autor huahua

    Abraço!
    http://lupiliteratus.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  5. Criança é assim né? Sempre rs, isso que faz ser tão diferente, divertido, estranho e aprendizado. Crianças são honestas e arteiras, mas são crianças. Adoro Carlos Drummond de Andrade, ótimo sempre. Adorei o trecho!

    ResponderExcluir
  6. Gostei muito de ler esse trecho do Carlos Drummond de Andrade, Carlos Drummond foi um grande escritor, não tenho filhos mas tenho um sobrinho e aqui a gente nunca demos brinquedos caros demais pra ele, pois dá brinquedos caros demais pode estragar a criança. Excelente texto é uma reflexão para os pais, bjs.

    ResponderExcluir
  7. Muito divertido esse texto do Drummond; não o conhecia. Li com um sorriso fino nos lábios.

    Muito legal!

    Simples; digno do gênio que o era!

    ResponderExcluir
  8. Amo os textos do Carlos Drummond e não conhecia esse, simplesmente perfeito. Retrata uma realidade, sejamos sinceros, todos os dias presenciamos crianças praticando ações iguais ou parecidas com as citadas no texto
    .

    ResponderExcluir

Gostou? Deixe seu comentário!

Redes sociais